Unesp é a terceira melhor universidade do Brasil, aponta ranking BRICS 2019

Na América Latina, de 400 instituições avaliadas, Universidade Estadual Paulista vai da 34ª para 29ª posição

Postado em: em Educação

Um pioneiro na publicação do World University Rankings, o Quacquarelli Symonds (QS) lançou o BRICS University Rankings 2019 no último dia 17 de outubro, com mais de 400 universidades dos países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

A sigla BRICS foi cunhada em 2001 como uma maneira de descrever as cinco economias em crescimento no mundo naquele momento. O ranking regional BRICS existe desde 2013 e foi desenvolvido pela QS em colaboração com a agência de notícias russa Interfax. Surgiu do desejo de destacar e acompanhar melhor os progressos realizados em cada um dos cinco países do BRICS no campo da educação superior e facilitar a comparação de universidades em nações que compartilham de semelhante dinâmica socioeconômica.

Sobre o ranking QS BRICS edição 2019, foi observado um aumento de mais de 100 instituições de ensino superior, das quais o Brasil teve a segunda maior entrada: foram 29 ingressantes. Dentre os países participantes, o Brasil é o terceiro em contingente, ficando atrás de Índia e Rússia. A Figura 1 mostra a distribuição das universidades avaliadas em 2017 e 2018. 

01grafico.jpg

Figura 1 – Distribuição das universidades avaliadas em 2017 e 2018 

É interessante destacar que a Unesp assumiu a 3ª posição entre as 90 universidades brasileiras avaliadas na edição 2019, subindo uma posição em relação à edição anterior. No âmbito da América Latina, das 400 instituições avaliadas, a Unesp foi classificada na 29ª, subindo cinco posições em relação ao ano anterior.

A Figura 2 mostra que, do conjunto das 12 instituições brasileiras melhores classificadas, a Unesp foi uma das únicas a ter melhora de classificação, tanto nacional quanto internacionalmente.

02grafico.jpg

Figura 2 – classificação as top 12 universidades brasileiras no Brasil e na América Latina

Sobre a metodologia

Ao manter a mesma metodologia nos últimos anos, é possível realizar uma análise diacrônica mais fiel aos dados, já que as variações são correspondentes somente ao desempenho da universidade.

Nesse contexto, salienta-se que alguns indicadores utilizados para classificar as universidades do BRICS são os mesmos usados ​​para criar o QS World University Rankings, enquanto outros são incluídos para refletir prioridades e desafios que são mais específicos para as universidades dos países do BRICS.

Abaixo, segue lista dos indicadores utilizados neste ranking. Entre parênteses, link para acesso ao detalhamento da captação e análise dos dados.

Reputação acadêmica - com base em uma grande pesquisa global de acadêmicos, esse indicador contribui com 30% para a pontuação geral de cada universidade. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-academic/)

Reputação do empregador - com base em uma grande pesquisa global de acadêmicos, esse indicador contribui com 20% para a pontuação geral de cada universidade. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-employer/)

Proporção de professores/alunos - uma medida de quantos funcionários acadêmicos em período integral estão empregados por aluno matriculado; no valor de 20% da pontuação total. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-faculty-student/)

Docentes com doutorado - com base no percentual de docentes com doutorado; 10% da pontuação total. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-staff-with-phd/)

Trabalhos por docente - uma medida do número de trabalhos de pesquisa publicados anualmente por docente; 10% da pontuação total. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-citations-per-faculty/)

Citações por trabalho - uma medida de como os trabalhos de pesquisa citados com frequência de cada universidade são; vale 5% da pontuação total. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-papers-citations/)

Corpo docente internacional - baseado no percentual de docentes que são estrangeiros; 2,5% da pontuação total. 9 http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-international/)

Estudantes internacionais - com base na porcentagem de estudantes que são estrangeiros; 2,5% da pontuação total. (http://www.iu.qs.com/university-rankings/indicator-international/)

Importante destacar que, assim como outros rankings da instituição QS, o BRICS também embasa metade da avaliação aos questionários de reação, conforme mostrado na Figura 3. Ou seja: apesar de existir uma correlação direta entre os indicadores, aumentar o desempenho em indicadores como publicação não mostra direta melhora da universidade; entretanto, a qualidade da pesquisa tende a gerar enorme efeito pois dá visibilidade tanto ao corpo docente, quanto à própria universidade.

03grafico.jpg

Figura 3 – Distribuição dos pesos dos indicadores no ranking BRICS

Sobre o desempenho da Unesp
No seu desempenho, a Unesp tem mostrado certa regularidade, o que é esperado de uma universidade de ponta, bem estabelecida, atuante em diversas áreas do conhecimento, como é o caso de nossa instituição.

Ao longo dos últimos 5 anos, a Unesp teve uma melhora saindo da 36ª posição no ranking para a posição 29. Este desempenho é destacável se considerado que este período tem sido de grande instabilidade político-econômica no país, e mesmo assim, o alto nível e volume de pesquisa tem se mantido praticamente constante. Este desempenho é ainda mais destacável se considerado que o contingente de instituições avaliadas a cada ano aumenta, passando de 100 em 2013 para mais 400 na edição atual.

Independente do ano avaliado, a Unesp sempre se manteve entre as top 9% de todas as instituições avaliadas, mostrando que somos uma universidade de reconhecida pesquisa e reputação acadêmica.

A Figura 4 mostra a comparação dos indicações e da classificação da Unesp, nas últimas edições do ranking, para os BRICS (a) e Brasil (b). . Destaca-se que a Unesp mantem-se entre as melhores posições e teve melhoras nos indicadores de citação e internacionalização.

Dos indicadores avaliados, a Unesp apresentou melhora significativa em importantes indicadores quando comparado com o ano anterior. A reputação acadêmica saltou da 35ª posição para a 29ª, mostrando que o corpo docente e as pesquisas desenvolvidas têm sido reconhecidos pela comunidade acadêmica dos países envolvidos no BRICS, motivo este que reflete diretamente na internacionalização da universidade, como mostrado nos indicadores internacionais; a proporção de docentes/aluno mostra que o ensino tem sido de qualidade. Estes dois fatores são relevantes sobretudo se comparados com o número de docentes substitutos que têm atuado junto ao corpo docente para suprir as necessidades de ensino, em grande parte da graduação, devido a afastamentos e aposentadorias.

As quedas indicadas abaixo foram pequenas e localizadas, sendo importante destacar que em as pontuações na Unesp neste indicadores foram superiores em relação ao seu desempenho do ano anterior. 

04grafico.jpg

Figura 4  – Distribuição da classificação da UNESP no BRICS (a) e no Brasil (b), para as últimas duas edições do ranking


No plano da colaboração internacional, vemos na Tabela 1 que a Unesp tem grande colaboração com as 10 primeiras colocadas no ranking, inclusive muitas com grande quantidade de publicações em coautoria. A última coluna da tabela destaca que é de grande importância que as colaborações sejam mantidas, dado que o impacto de publicações conjuntas supera, e em muito, o impacto individual da Unesp.

Na parte inferior da Tabela 1, observam-se as 10 primeiras colocadas do Brasil. É visível a atuação da Unesp junto à USP e Unicamp, porém, apesar da alta publicação em coautoria, observa-se que o impacto não é muito superior ao individual da Unesp.

05grafico.jpg

Fonte: Scival/Scopus – 2015 a 2017

Acesso ao ranking completo:
https://www.topuniversities.com/university-rankings/brics-rankings/2019

Notícias relacionadas ao QS BRICS 2019
https://jornal.usp.br/institucional/usp-e-a-universidade-brasileira-mais-bem-classificado-no-ranking-do-brics/

https://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2018/10/18/unicamp-permanece-entre-20-melhores-do-brics-e-e-lider-no-brasil-em-ciencias

Grupos Parceiros da Comissão Institucional de Rankings da Unesp:

06imagem.jpghttps://www.rederankintacs.org/

07imagem.jpg


http://metricas.usp.br/

Visite a página da Comissão de rankings da Unesp
https://www2.unesp.br/portal#!/rankings

Projetos em andamento

No momento, a Comissão de Ranking trabalha juntamente com a equipe do Projeto FAPESP indicadores para desenvolvimento de indicadores de impacto social da Universidade (https://bv.fapesp.br/pt/auxilios/97010/indicadores-de-desempenho-nas-universidades-estaduais-paulistas/), os quais tem sido alvo de recente pesquisas e debates em todo o mundo, dado o papel importante das Universidades na sociedade.

Para os iniciantes no assunto, convidamos à conhecer uma recente ferramenta da SCOPUS que visa demonstrar o impacto da pesquisa nas redes sociais: o PlumX Metrics.

08imagem.jpg

https://plumanalytics.com/learn/about-metrics/


Artigos Relacionados