​Sabesp não tem prazo para retomar as obras de captação do Sapucaí-Mirim

Entrave judicial emperra realização do empreendimento que já deveria estar funcionando desde 2015

Postado em: em Meio Ambiente

As obras do novo sistema de captação de água de Franca, que tinham projetos de ser concluídas em 2015, ainda continuarão indefinidas. 

Isto porque a parte das obras lineares sofreu paralisação por conta da desistência da empresa vencedora da concorrência e cuja situação encontra-se em discussão judicial. 

A obra, que foi iniciada em 2012, busca a captação no sistema Sapucaí Mirim e estava com a previsão para abastecer Franca por mais 20 anos. 

As obras lineares deste sistema (adutoras e linhas de recalque) deveriam estar prontas em 2015, mas avançaram pouco. 

O novo sistema estava previsto para abastecer Franca até 2037, porém ao ser concluído estima-se que Franca não enfrentará problemas durantes os próximos 20 anos. 

O Jornal da Franca procurou a Sabesp em busca de uma explicação sobre essas obras, uma vez que o governo estadual fez parcerias com o Bird para investimentos em outras regiões. 

O esclarecimento, através da assessoria de imprensa da Sabesp, aponta que a obra do novo Sistema Sapucaí Mirim é um projeto que antecipa em décadas o atendimento às necessidades do município. 

Sendo assim, não se trata de obra emergencial e o seu andamento atual não traz qualquer risco para o abastecimento local.

A Sabesp informa que realizou o projeto do sistema de abastecimento de água no município de Franca, chamado Sistema Produtor Sapucaí Mirim. 

Por questões administrativas e técnicas houve a contratação de duas empresas para realização das obras do sistema, conforme a empresa explicou.

A primeira parte, de obras lineares, teve 72% de execução, porém houve paralisação por parte da empresa contratada em abril de 2016. 

Em virtude disso, o contrato foi rescindido unilateralmente pela Sabesp, com aplicação de sanções à empresa contratada. 

A questão está no Judiciário. Paralelamente, o processo administrativo está sendo retomado para permitir que as obras sejam concluídas.

A segunda parte, referente às obras localizadas, encontra-se em andamento, com 99% de conclusão. A entrada em operação das obras dependerá da retomada e conclusão das obras lineares.

O empreendimento, segundo a Sabesp, estava orçado em R$ 100 milhões (conforme escrito na placa que anunciou a obra), mas já ultrapassou esse valor. 

E depois de concluídas as obras, a população francana será atendida por mais 50 anos com o abastecimento de água.

Hoje, além do rio Canoas, Franca é abastecida pelo manancial de Pouso Alegre, que também teve a vazão reduzida por conta da seca.

Mas o grande reforço para Canoas vem mesmo de Restinga, onde a Sabesp faz a captação de água em dois poços artesianos de grande profundidade, atendendo não só aquele município, mas também reforçando o abastecimento de Franca.




Artigos Relacionados