​Igreja entra com ação de R$ 1 bilhão contra o Porta dos Fundos e a Netflix

Advogado conta motivos que levaram a igreja pentecostal brasileira a processar Netflix e Porta dos Fundos

Postado em: em Religião

O advogado Anselmo Ferreira de Melo da Costa, que move a ação

A ação foi distribuída para a 5ª Vara Cível do fórum de Campo Grande do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, em nome da Igreja Pentecostal Brasa Viva contra o Porta dos Fundos e a Netflix.

O simples protocolo da ação se tornou um dos assuntos mais comentados do mundo jurídico recentemente por ter um valor indenizatório considerado inédito para este tipo de causa: 1 bilhão de reais.

O advogado que está a frente do processo, Anselmo Ferreira de Melo da Costa, esclarece o motivo e o propósito desta ação movida contra o grupo humorístico e a gigante do streaming:

"O especial de Natal do Porta dos Fundos, veiculado pela Netflix, intitulado 'a última tentação de Cristo' é infame e satiriza símbolos sagrados do cristianismo, incluindo a pessoa divina do próprio Jesus Cristo".

"Por isso a igreja pede, entre outras coisas, o pagamento por danos morais no valor de R$ 1 bilhão, que serão revertidos totalmente para obras de caridade em instituições sérias". 

O caso se tornou conhecido nacionalmente após o jornalista Ancelmo Góis, colunista do jornal O Globo falar sobre a situação, o que gerou grande repercussão na imprensa.

Motivações

Segundo o consultor e advogado, Anselmo Melo, o objetivo da igreja não é o enriquecimento, mas sim transformar a situação em algo verdadeiramente benéfico para a sociedade: 

"O valor da indenização não irá para a igreja e sim para todas instituições filantrópicas do Brasil, objetivando tornar uma sociedade com mais respeito e dignidade". 

"A igreja entende que o Porta dos Fundos e a Netflix estão prestando um desserviço para a sociedade, e que por isso a compensação indenizatória é justificável".

Polêmica ao redor do mundo


O polêmico especial de Natal do Porta dos Fundos causou a revolta de evangélicos, católicos, espíritas, entre outras denominações da sociedade brasileira.

Até mesmo em outros países, como Estados Unidos, Portugal, Espanha e Polônia, onde o premiê polonês apelou à Netflix que retirasse o filme do ar.


Artigos Relacionados