O Brasil e os perfumes

Postado em:

Há pouco tempo atrás estava conversando com um amante dos perfumes, já usou variadas marcas e estilos e já elegeu seus preferidos. Como a grande maioria dos brasileiros sua principal preocupação é com o long lasting, ou a durabilidade do perfume na pele. E com o trail, o rastro. Hoje já existem equipamentos que medem o rastro e painéis olfativos que analisam a durabilidade das fragrâncias. Estes são os dois fatores fundamentais para qualquer perfume de sucesso aqui no Brasil. Isso acaba prejudicando as fragrância cítricas, pois elas evaporam mais rapidamente, são mais voláteis e duram menos. É possível ter trail com diferentes notas, mas o lasting só se consegue com notas mais pesadas, que demoram mais para evaporar (vanillas, gourmands, orientais, âmbares, quentes e envolventes).

Outra coisa que poucas pessoas sabem, que também foi assunto nessa conversa, é que o Brasil já possui uma grande casa de fragrâncias, a alemã Drom Fragrances que está situada em Jundiai-SP, produzindo fragrâncias para o mercado nacional e internacional. São responsáveis pelos cheiros de produtos de marcas reconhecidas como: Guerlain, Guess, Jequiti, O Boticário, L’Occitane au Brésil, entre tantas outras. Para quem não sabe, as casas de fragrâncias são empresas que possuem perfumistas que criam fragrâncias e aromas para marcas. Qual a diferença? Aroma é o que pode ser colocado na boca (pasta de dente, comidas, refrigerantes, etc) e as fragrâncias são cheiros e sensações que estão presentes na perfumaria fina, cosméticos e produtos de cuidados com o lar. E o que é mais importante, existem realmente pouquíssimos perfumistas no mundo, eles são chamados de ‘Os narizes’, não acredite facilmente em alquimistas que se dizem perfumista. Essa é profissão séria, com anos de estudo e aprendizado. E escolas especializadas somente na Europa.

Uma grande curiosidade, é que o brasileiro não se liga muito na rotulação. Em geral, a população não sabe qual a diferença entre um eau de toilette, um eau de cologne e um eau de parfum, por exemplo (a diferença está nas concentrações de essência na formulação). Então muitas vezes ele compra um eau de cologne, que é um perfume mais leve, só porque é de uma grife internacional. Ele vê uma oportunidade de comprar a marca e não a formulação em si. A maioria das pessoas não compra um Chanel n°5 porque o ama, mas sim porque é um perfume icônico, que vai muito além do olfativo.

O universo do perfume ainda é bem pouco conhecido nas terras brasileiras, mas está crescendo cada vez mais e sendo mais acessível e admirado. Lembrando que somente 7% dos perfumes vendidos no Brasil são importados, o brasileiro sabe sim prestigiar o produto nacional, que apesar de muitos não saberem é feito pelos mesmos perfumistas que grandes fragrâncias importadas. Não critique, experimente que você pode se surpreender!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

E agora, José?

Postado em:

Para quem ama cozinhar, não há nada melhor do que os elogios do perfume daquilo que se está cozinhando. Antes do típico chamamento para a mesa, é o aroma dos alimentos e ervas que denuncia que a refeição está pronta. Afinal, é a criatividade da mistura de temperos e sabores que torna qualquer prato simples em uma refeição especial.

Pois surgiu um estudo bem interessante da Faculdade da Califórnia sobre exatamente esse assunto, o cheiro das comidas. Você sabia que dá pra engordar através do aroma? Esse estudo afirma que o cheiro da comida aumenta o armazenamento de gordura corporal. Digamos que agora da pra começar a se preocupar em passear até pelas praças de alimentação dos shoppings, ou talvez estar de dieta e ir visitar a vó no domingo, em pleno almoço de domingo!

A pesquisa feita por estudantes consistiu em alimentar ratos de laboratório com refeições altamente calóricas. Antes de ingerir o alimento, alguns animais usados no estudo tiveram seu olfato interrompido enquanto outros continuaram com todos os sentidos. O resultado mostrou que os ratos que sentiam o cheiro da comida acumularam mais gordura e dobraram de peso, enquanto apenas 10% dos que perderam esse sentido engordaram de forma significativa. O estudo ainda provou que os animais considerados obesos que também foram impedidos de sentir o aroma do alimento tiveram uma redução no peso. Com isso os pesquisadores concluíram que aumento do peso não tem relação apenas ao que se é consumido, mas também sofre interferências da percepção do cérebro sobre as principais características do alimento.

Ainda não há uma resposta concreta sobre a relação do olfato com o ganho de peso, mas existe uma hipótese entre os pesquisadores de que o odor altere o metabolismo e a interpretação do cérebro sobre a energia consumida. É interessante pensar também, que quem cozinha pouco sente esse odor, e que mesmo o sentindo pouco, de certa forma ele sacia a fome. Explicando melhor: quem cozinha, come menos! E agora, José? Agora cabe a cada um fazer o que achar melhor com essa informação, mas digo que serei a última pessoa a me privar de um dos melhores aromas do mundo: o de comida boa!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Um livro ou um perfume?

Postado em:

O olfato foi um dos sentidos humanos mais usados há milhares de anos, principalmente na pré-história, mas com a evolução humana deixamos de lhe dar importância. Hoje em dia o nariz é quase um acessório, andamos muito desatentos, mas tudo tem um cheiro. E tudo, absolutamente, seria mais divertido se nos déssemos mais tempo para sentir esses pequenos detalhes.

E se você recebesse um trecho assim: “Ritmo, velocidade, luz e sons metropolitanos. Mas vagando entre as ruas estreitas do bairro amigo, tudo se torna mais calmo e recolhido. Viajando para Milão, o mesmo acaba encontrando espaços isolados e tranquilos. Laboratórios onde por séculos a arte da marcenaria tem sido cultivada em seus mais altos níveis. Você primeiro nota-o pelo perfume de cera de abelhas com que marceneiro acaricia a madeira até que brilhe. Nos aromas sutis e penetrantes de ébano e outras madeiras preciosas que são habilmente embutidas uns aos outros.”

Do que se trata essa descrição? O que essas palavras escritas de forma tão detalhada e poética estão descrevendo? Muito provavelmente esteja pensando que seja um pedaço de algum livro famoso, mas na verdade é um release de um perfume, aqueles materiais de divulgação de produtos. Descrições como esta nos fazem parara e prestar mais atenção nos cheiros, nos despertam a criatividade e a curiosidade sobre o cheiro em questão e talvez tantos outros que o circundam.

Reduzir um perfume a um mero cheiro, é simplista demais. Quando estão pensando em criar uma nova fragrância, os perfumistas e as empresas inventam toda uma história em torno do produto: para que tipo de pessoa ele será direcionado? O que ela faz? Do que ela gosta? O que ela admira? Responder perguntas assim faz parte do trabalho por trás da colaboração de um produto. Detalhar momentos, experiências, lugares, sonhos, etc. Que na vida a gente possa aprender a dedicar mais tempo e atenção aos cheiros que nos circundam assim como os perfumistas e suas criações!


*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Um perfume em Tiffany Blue

Postado em:

Como uma perfeita virginiana sempre fui fã de listas, de compras de supermercado a futuros sonhos. Tenho algumas que só aumentam, como de viagens e livros, mas uma que eu adorava e era sempre renovada era a de filmes. Ainda sinto certo pesar quando penso que as locadoras acabaram, era tão legal escolher 6 filmes por final de semana dentre tantos e alugar aqueles que estivessem disponíveis, com noites regadas a coca cola e pipoca. Com esse pequeno ritual sendo mudado pelo netflix e outras maneiras, fui deixando essa lista de lado. Mas me lembro bem das primeiras, eu adorava os clássicos, e tenho dois preferidos: Sabrina (1995) e Bonequinha de Luxo.

Depois de assistir Bonequinha de Luxo ainda me encantei pela linda e tradicional música, Moon river, ainda amo sua versão original e qualquer outra regravação. Me faz lembrar dessa época boa de listas e locadoras, e do disco do Henry Mancini tocando na vitrola da casa dos meus avós. Foi com esse filme que aprendi quem era Audrey Hepburn, a admirar seu estilo e a conhecer a famosa joalheria Tiffany & Co., que doa seu nome ao título original do filme (Breakfast at Tiffany’s).

E neste mês de julho a Tiffany apresentou sua mais nova fragrância, um perfume ousado criado pela perfumista Daniela Andrier, reconhecida mundialmente que trabalha na tradicional casa Givaudan. Um musk floral vívido com um toque contemporâneo que leva os ingredientes mais preciosos da alta perfumaria tradicional. A fragrância revela-se inicialmente com notas de vert de mandarine e no corpo, uma precisa flor de íris confere um caráter épico. A associação da marca Tiffany com a íris remonta aos primeiros esboços encontrados nos arquivos da Tiffany e está profundamente ligada ao DNA da marca. Foi um broche de íris com flores de granada demantóide e safiras de Montana que conquistou para Tiffany o grande prêmio na Exposição de Paris em 1900. Colhida na França durante os meses de julho e agosto, a manteiga de íris é obtida por meio de uma técnica única de extração por hidrodestilação, feita exclusivamente para esta fragrância, garantindo uma riqueza pura, brilhante, sensual e duradoura para a nota de fundo. Este ingrediente fundamental acrescenta força e feminilidade e serve de base para a composição, conferindo refinamento e sofisticação. As notas de fundo de patchouli, envolvidas em uma mistura de musks relaxantes, resultam em sensualidade na pele. A estrutura é um aroma inesperado e atemporal, assim como as peças da marca.

O lindo frasco inspira-se nas formas do diamante mais icônico da casa. O elaborado trabalho de facetamento na base remonta ao diamante ao diamante amarelo mais raro do mundo de 128,54 quilates com 82 facetas, enquanto as linhas geométricas puras dos cantos fazem uma referência ao anel de noivado mais cobiçado do mundo, o Lucida®. Um toque de Tiffany Blue acentua o aro com o padrão T característico da marca. Encoberta pela tampa está uma placa de metal gravada com a marca e dentro um líquido delicado com um pequeno toque de azul ilumina os cortes precisos do frasco. Assim como todas as criações da joalheria, a fragrância é apresentada na característica Tiffany Blue Box, um símbolo internacionalmente reconhecido de estilo e sofisticação.


O diretor artístico da marca, Reed Krakoff, escalou o lendário fotógrafo Steven Meisel e quatro mulheres modernas que representam o espírito diversificado da marca, as modelos: Vittoria Ceretti, Julia Nobis, Achok Majak e Georgina Grenville. O foco desse shooting é a essência da marca em seus fundamentos: Tiffany Blue, diamantes, pele e aroma. Como um aceno sutil à experiência sensorial da fragrância, as imagens encontram centro nos pontos onde o corpo pulsa – o pescoço, os pulsos e atrás das orelhas – evocando este momento transformador em que o perfume faz contato com a pele nua. O frasco de cristal, que brilha sob o fluído azul, é uma reminiscência das joias icônicas da Tiffany & Co., como uma lembrança absoluta de que tudo que você precisa é azul!



*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Carta aos tios

Postado em:

“Somente os tios podem dar abraços como os pais, guardar segredos como irmãos e compartilhar alegrias como amigos”. Antes de me tornar tia, eu li essa frase embutida em um lindo texto sobre tios e sinceramente não conseguia entender como seria essa relação, mas agora eu entendo, ainda mais sendo uma tia jovem. É como se colocasse no liquidificador esses três papéis (pais, irmãos e amigos) e no final a mistura virar a mais saborosa e nutritiva relação.

Uma das coisas mais deliciosas em bebês é definitivamente o cheirinho! Eles já nascem com um próprio impregnado em cada centímetro daquele minúsculo corpinho. Ai tem o cheiro depois do banho de sabonete Granado (o mais recomendado por ser vegetal e não possuir fragrância) e depois de um tempo o de colônia, o de bafinho ao acordar, o de xixi, o de cocô (que varia muito dependendo do que foi ingerido de comida) e o dos milhares de vomitados. Mas o meu favorito é o do cangote, nenhum cheiro até hoje em minha vida ganhou do cheirinho da parte de trás do pescoço do meu sobrinho, recém banhado ou depois de passar horas correndo pra lá e pra cá.

Outra coisa que aprendi com o passar dos dias, é que depois de ser tia em tempo quase que integral a gente perde os nojinhos (não todos), a gente se machuca pra proteger, perdemos a comida do nosso prato, ganhamos os melhores beijos babados, temos sempre um ‘patinho’ andando atrás que quase te faz tropeçar e fica falando ‘Tiiiiiii’. O dia a dia se torna quase que um longa metragem, como no filme ‘A vida é bela’, em que cada afazer vira uma brincadeira ou quase teatro, assim eles podem participar e se sentir úteis. Criatividade virou a principal palavra quando eu acordo nos últimos dois anos.

Se você assim como eu, ainda não tem filhos, vai descobrir que desde o momento em que você ganha a etiqueta de tio, se transforma em uma espécie de super herói. Aqueles olhinhos pequenos te olham com admiração, e te copiam em cada coisa, então sua responsabilidade é sempre surpreender, inventar e transmitir um amor infinito. Cada abraço, cada olhar e sorriso de cumplicidade são as demonstrações mais perfeitas que ao menos uma vez na vida seu irmão ou irmã acertou em cheio e te ‘deu de

presente’ um dos seus pontos cardeais. Essa sintonia é inevitável, porque não temos a pressão e a responsabilidade de criação que os pais têm.

Todos os dias eu agradeço por esse serzinho estar em minha vida, ele me ajuda a enxergar cada coisa de maneira mais colorida e mais leve. Me mostra o que só a inocência consegue, e me faz sorrir a cada descoberta. Hoje faz dois anos que comecei a entender melhor essa relação, talvez eu nunca consiga chegar numa conclusão final, porque todos os dias descobrimos novas coisas juntos, mas são esses momentos que guardaremos para sempre e que fazem os nossos dias ganharem um cheirinho todo especial. Que seus sonhos te guiem, e que você nunca perca esse cheirinho do cangote. Feliz aniversário, pitico!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​​ Excepcionalmente, à pedido da autora, ela foi postada nesta sexta-feira, 28 de julho.

Qual seu último desejo?

Postado em:

Tive um dia daqueles bem movimentado e interessante, cheio de adoráveis surpresas e encontros. Fui visitar uma médica a trabalho e aguardando ela terminar de atender um paciente acabei brincando com uma linda menina de dois aninhos e papeando com a mãe e os avós dela por alguns minutos enquanto esperava. Assunto vai e vem, e ela me conta uma história triste, porém interessante, a pediatra da menina havia falecido há uma semana e ela teve que procurar outro médico para continuar com um tratamento que a meninas estava fazendo, e por isso estava ali.

A parte triste era que a médica tinha seus quarenta e poucos anos, mas com muito estudo e trabalho conseguiu conquistar não somente um patrimônio, como pacientes de todas as idades e poderes aquisitivos que a queriam muito bem e demonstraram isso até o seu último adeus. Ela morreu fazendo aquilo que amava, trabalhando, doando seu conhecimento para curar enfermidades. Ela fez da melhor maneira que podia, assim a moça me contou, porque ainda tinha o prazer de trabalhar com ela. Comia certo, fazia exercícios, tinha uma vida regrada, mas um aneurisma fez ela se despedir desse plano.

Me contou também que todos que eram próximos a ela, estavam sentindo a felicidade que pairava no ar, porque ela finalmente havia conseguido comprar um carro que sonhou por anos. E ela havia emplacado o carro um dia antes de partir. Assim como ela, tenho muitos amigos e familiares que tem esse sonho, um carro, de um modelo X, cor tal e só de pensar em dirigi-lo com os vidros abertos e uma bela música tocando no rádio já aparece um sorriso maravilhoso nos lábios. Porque ter sonhos é o que realmente move a vida, independente se eles envolvem dinheiro ou não. E realizá-los é o que nos faz abrir os olhos a cada manhã!

Algumas marcas de carro sabem explorar isso uma forma interessante e perspicaz, e foi o que fez a Lamborghini em junho deste ano. A marca italiana resolveu usar sua principal característica, a sofisticação e lançar um perfume. A fragrância foi desenvolvida aqui no Brasil em parceria com a ‘Passion Perfumes e Cosméticos’, traz notas olfativas amadeiradas e aromáticas, que resultam em uma combinação intensa, moderna e poderosa.

Tem a assinatura do perfumista Leandro Petit da tradicional casa de fragrância Givaudan. Ela foi inspirada em todos os códigos de quem dirige uma das máquinas mais velozes e desejadas do mundo. Suas notas de saída tem explosão de impacto como Limão Siciliano e Sálvia da França. No corpo as notas de Lavanda Francesa, Cardamomo da Guatemala e Artemísia de Marrocos que representam o design moderno e arrojado de um Lamborghini. Já as notas de fundo de Patchouli da Indonésia, Sândalo Australiano e Fava Tonka da Venezuela marcam a elegância e a força do perfume.

O frasco possui pintura preta e brilhante e uma aplicação do famoso logo da marca, representado pelo touro em dourado. Possui dois tamanhos, 100ml (preço sugerido, R$ 119,90) e 45ml (preço sugerido R$ 69,90), e chegará ao mercado nacional neste mês de Julho.

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Apertem os cintos!

Postado em:

No Brasil e principalmente para os estudantes, julho é mês de férias. As famosas férias de inverno por aqui que encerram o primeiro semestre e nos dão um leve fôlego para continuar o ano. E particularmente, nada simboliza mais férias do que planejar viagens. Seja de carro, ônibus, avião, acampamento no quintal do vizinho, ta valendo qualquer opção para se divertir, descansar, relaxar e curtir esses 30 dias de folga na mente e no corpo da rotina que nos acelera durante o ano.

Para quem planeja férias internacionais, que vem se tornado cada vez mais acessíveis aos brasileiros, com direito a passagem pelo aeroporto e horinhas de espera pelo voo existe sempre uma certa ansiedade para visitar o famoso free shop ou duty free. A loja mais famosa da área internacional dos aeroportos do mundo todo que está livre de tributos, claro que existe um certo limite e tem que ser considerada uma quantidade considerada como bagagem, e não é recomendável para quem busca revenda de produtos. Mas para consumo próprio, em grande parte dos itens, é sim uma boa pedida. Os produtos normalmente comercializados nessas lojas são quase sempre de marcas mais caras,e e, portanto, nem sempre representam as melhores opções de preço. Mesmo com a redução ou com a ausência de taxas de impostos.

Dentre os produtos que normalmente são comercializados no Duty Free estão os vinhos e outras bebidas alcoólicas, que por muitas vezes, até costumam sair mais em conta do que os preços de adegas especializadas e de hipermercados brasileiros e são muito procurados pelos consumidores.

Um outro produto muito vantajoso financeiramente e procurados nesse famoso estabelecimento são os perfumes, que por serem normalmente muito caros por aqui, acabam fazendo muito sucesso entre os passageiros que passam pelo salão do embarque internacional. Quem resiste a pelo menos abrir alguns frascos e cheirar aqueles aromas incríveis, sejam lançamentos do ano ou os mais clássicos das marcas queridinhas mundiais. É quase como abrir aquelas revistas americanas com as páginas de propagandas de perfumes que você fricciona o pulso para ‘experimentar’ a fragrância. Você se encanta pela embalagem, cheira, experimenta, se delicia e até mesmo escolhe um ou dois como seus novos favoritos. Sensações inebriantes que nos deixam cheios de prazer e até com dor de cabeça, dependendo do tempo dentro do estabelecimento e quantidade de amostras experimentadas.

Seja como for a sua paixão pelos perfumes tenho certeza que mesmo se ainda não teve essa oportunidade, pode aguardar ansiosamente para quando tiver, porque mesmo se for só por curiosidade vale muito a pena. E uma dica interessante é ficar atento a catálogos e panfletos que recebe do Duty Free, você pode conseguir descontos exclusivos, promoções, brindes e amostras grátis. Vale a pena ficar de olho. Além de poder reservar produtos com mínimo de 3 dias de antecedência da viagem e no máximo 35 dias, garantindo as promoções vigentes no dia da reserva, apenas deve ter os dados de documentos de embarque em mãos. Guarde as dicas, selecione os melhores, aperte os cintos e tenha uma ótima viagem!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.​

Ahhh o inverno!

Postado em:

Preguiça. Substantivo feminino com origem no termo em latim pigritia, é uma característica ou atitude que demonstra pouca disposição para o trabalho, ou aversão ao trabalho. Está também relacionada com negligência, indolência, mandrice, demora ou lentidão em praticar qualquer ação. Talvez a definição correta para tal palavra seja essa, para mim: inverno! Sim, a época do ano em que eu aguardava ansiosamente quando menina para acordar tarde e ficar o dia todo embaixo das cobertas assistindo TV, filmes, lendo, comendo, e não ter obrigações escolares e coisas do tipo. Eu nunca fui a louca por esportes (prefiro assistir), mas frio nunca combinou com meu metabolismo, tem cara de férias, de lazy day, de meias coloridas, cheiro de assado no forno, jazz, brisa fria na janela, pipoca com manteiga, pizza pra comer com a mão, amigos reunidos para rir da vida e claro, comer!

Nos dias de hoje eu continuo com a mesma ‘preguiça’, mas acordo cedo, trabalho o dia todo, mas me dou o prazer de ao menos nas noites me esbaldar com algo que eu amo: a arte de cozinhar. O frio nos permite de alguma forma essas perdições, sair da dieta, exagerar um bocadinho, mais glúten, mais lactose, mais tempero de mãe, de vó, de chocolate quente, de vinho tinto, de cheirinho de lenha na fogueira, de muito queijo e pouca complicação.

Inverno tem cheiro de brisa seca, de caldo quentinho, carne assada, pipoca estourando, filme novo, música antiga, fondue, frutas com chocolate...alías, muito chocolate! Cobertor de lã, canela, baunilha, caldinho de feijão, cabernet sauvignon, merlot, quietude na rua porque dentro das casas está sobrando calor humano. Que a gente não se esqueça nunca também do muito ‘calor’ que temos, e possamos dividir ao menos um pouquinho com quem lida de alguma forma com as temperaturas europeias que vem nos visitar nessa época do ano, que esse seja um inverno mais quente e menos ‘preguiçoso’ para mim e para você!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.

Pula a fogueira Iaiá!

Postado em: - Atualizado em:

​Sempre foi minha segunda data comemorativa predileta, depois do Natal, claro! Quando o mês de Junho se aproximava o coração já batia mais acelerado, os foguetes e rojões já decoravam o céu, as bandeirinhas coloriam os salões, escolas, ruas, lojas, e as músicas já embalavam os passinhos mais frenéticos e animados. A festa junina está totalmente equiparada ao carnaval quando o assunto é festa brasileira, com a cara da nossa alegria, da nossa comida do nosso modo expansivo de ser e viver.

Sempre gostei de quermesses e festas de rua, e quando se misturavam com esse gostinho de festa junina, ficavam ainda melhores! Me lembro bem, o ano era 2006, e lá estava eu passando a tarde toda novamente descascando três sacos de milho, separando as palhas e deixando tudo limpinho para vender na Festa Junina do último ano do ensino médio. Voltava pra casa, vestia a blusa xadrez, a bota, amarrava as tranças, fazia as pintinhas e batom vermelho. Ao entrar no prédio já vinha aquele cheirinho de papel krepon da decoração, com as folhas secas, e a lenha queimando na fogueira. O milho cozinhando, o quentão e o vinho quente fervendo, o espetinho na brasa, os doces de amendoim, a pipoca estourando na manteiga, os estalinhos queimando no chão e nos pés, o sanduiche com pernil, o cachorro quente, maçã de amor...

É realmente impossível falar de festa junina, sem citar as milhares de memórias olfativas que essa festa traz em nossas recordações. Uma riqueza de misturas de alimentos e especiarias que deixaria qualquer perfumista confuso tentando adivinhar qual aroma ‘saborear’ primeiro. Sem contar as danças, as músicas, as roupas, o tempo frio e o aconchego da fogueira, o carinho dos correios elegantes, os beijos da famosa barraca do beijo, a primeira prisão da vida, as mesinhas de metal, as prendas, pescarias, trabalho animado nas barraquinhas. É puro amor e diversão! Como é bom construir lembranças e recordar bons momentos, como é bom criar memórias tão boas, e associá-las a cheiros e sabores que nos fazem reviver esses momentos ao longo da vida, e ter vontade de recriá-los a cada ano que se passa. Feliz São Pedro, que hoje é dia de festejá-lo!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.

Joga fora no lixo

Postado em:

Segunda feira, pós descanso de feriado prolongado, a mente tranquila, mas o corpo demorando um pouco para acelerar, a gente levanta da cama 6h30, toma café, troca a as toalhas de banho, coloca para lavar dá uma geral na casa e resolve que é uma ótima ideia aproveitar o solzinho da manhã para secá-las na varanda de casa. Passado uma meia hora daquele cheirinho de roupa limpa adentrando a casa por conta do ventinho característico de fim de outono, um novo cheiro e um barulhinho de fogo queimando tomam a atenção. Saio na sacada e me deparo com o vizinho queimando uns restos de mato e papel e aproveitando que o vento não estava levando aquele cheiro e queimada para sua casa, e sim para meu prédio.

Eu realmente não consigo entender o porquê das queimadas, principalmente dessas que são propositalmente causadas por pessoas que não conseguem enxergar em sua volta, e que mesmo sendo um fogo que é apagado 20 minutos depois, ou até menos, causa um enorme desconforto e certos danos ao mundo. Poucos cheiros me causam tanta irritação, como o de queimada e o de lixo. Sim, se tem uma profissão a qual eu realmente valorizo é a dos lixeiros. Eles estão constantemente em contato com perigo, pois podem se cortar a qualquer momento e ainda por cima ficam horas e horas atrás daqueles caminhões inalando aquele aroma terrível! Eu realmente não tenho estômago nem para quando ele passa para recolher o aqui de casa, afinal ele vem arrastando todo o cheiro do lixo anterior, que os catadores ainda remexem e grande parte fica pelas ruas, uma profissão digna de reconhecimento e gratidão.

Mas e se o caminhão da coleta do lixo deixasse um aroma de frutas tropicais depois da coleta? Sim, isso já é realidade do outro lado do mundo. Na cidade de Takarazuka no Japão, a partir do mês que vem, além de ganhar estampas alegres e florais os caminhões também vão deixar aroma de frutas no ar. A empresa que desenvolveu essa tecnologia é bastante conhecida por lá, se chama ShinMaywa, ela é especializada em construir borading bridges (aquele túneis que levam as pessoas até os aviões no embarque) e também na fabricação de caminhões de coleta de lixo. Ela detém a patente do sistema que permite coletar e comprimir o lixo dentro do coletor, e o novo modelo tem um dispositivo que libera um spray sobre o lixo, neutralizando o odor fétido e ainda deixando um aroma de frutas por onde passar.


Esse caminhão chega ao mercado por 9 milhões de ienes. Eles esperam que outras prefeituras logo se interessem pela novidade, assim os funcionários poderão trabalhar com mais conforto, porque o odor fétido não impregna somente na roupa e no nariz, mas até mesmo na pele.  A população também agradece, afinal, é impossível não se incomodar com o cheiro a cada vez que o caminhão passa, o que piora muito no calor do verão. O aroma também será vendido em versão spray para o consumidor final, para que as pessoas possam usar em seus lixos domésticos.

Imagino que o cheiro do lixo seja resolvido daqui alguns anos pelas prefeituras de todo o mundo com essa brilhante ideia dos japoneses. Já o cheiro de queimada, precisamos estudar um pouco mais, talvez seja mais a parte da conscientização de não fazer do que evitar o cheiro em si!

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.