Suas finanças estão nas mãos do inconsciente

Postado em:

Você já arredondou o preço de um produto que custava, por exemplo, R$ 9,99 para R$ 9,00, mesmo sabendo que seu valor está mais próximo dos dez reais? Ou já decidiu comprar algo somente porque estava na promoção?

É muito provável que sim, já que estes são comportamentos corriqueiros a praticamente todos nós. Contudo, isso era tido como algo incomum pelos estudiosos. Mas isso está mudando, graças ao ganhador do Prêmio Nobel de Economia desse ano, Richard Thaler.

O economista estadunidense passou sua carreira de mais de 40 anos investigando o comportamento de consumidores e investidores para comprovar que ambos tomam suas decisões com base em questões mais ligadas ao inconsciente do que ao consciente.

Ou seja, é uma ilusão pensar que a vida financeira das pessoas é pautada com base em uma racionalidade consciente das ações. Dessa forma, Thaler busca fornecer maneiras práticas para que as pessoas consigam economizar dinheiro e ter finanças mais produtivas e equilibradas.

Confira abaixo 5 dessas preciosas formas de manter uma vida econômica mais saudável:

1) Coloque tudo no débito automático

Quanto menos obstáculos houver em sua vida financeira, mais acertadas serão suas decisões, segundo Thaler.

Então, por que não simplificar e colocar o dinheiro mensal destinado a uma aplicação financeira em débito automático? Dessa forma, não será necessário decidir se o valor deve ser mesmo destinado para aquele objetivo. É uma forma de não pensar muito sobre o tema, e não ceder a eventuais tentações de curto prazo.

2) Não se deixe enganar por números

É mais fácil desistirmos de uma compra quando vemos que um produto de mil reais está 100 reais mais barato em outro local do que quando um produto de 5 mil reais está sendo vendido por 100 reais a menos na loja concorrente.

Thaler explica que, como consumidores, nos atemos a porcentuais de preços, mas esquecemos da economia em números absolutos, que, no exemplo, é exatamente a mesma em ambos os casos. Portanto, deveríamos valorizá-la em ambas as compras.

A mesma coisa acontece quando vemos um produto em promoção. Ao invés de ceder ao impulso de comprá-lo por conta do porcentual alto de desconto que está sendo concedido, é bom se perguntar: o produto, de fato, está mais barato do que o de uma loja concorrente, que não está realizando promoções no momento? Você compraria este produto por este preço se ele não estivesse em promoção?

3) Entenda o impacto de cada decisão no orçamento

Thaler descobriu que a visão de consumidores sobre o orçamento é dividida para usos específicos, como lazer, contas da casa e aposentadoria. O economista chama esse fenômeno de contabilidade mental, que é a tendência em focar no impacto de decisões individuais, e não no impacto geral que elas têm sobre o orçamento.

Apesar deste comportamento proteger investimentos de longo prazo, pode gerar um custo extra caso haja uma resistência exagerada em transferir o dinheiro entre esses usos.

Por exemplo, caso uma necessidade inesperada no curto prazo exija mais dinheiro do que o esperado, é melhor abrir uma exceção e retirar recursos de uma poupança, por exemplo, do que tomar empréstimos caros.

Outro caso é quando passamos a gastar menos com determinada despesa, mas nossa mente insiste para continuar a destinar a mesma porção de dinheiro a ela, sem refletir muito sobre o tema. Essa porção economizada poderia ser destinada para outo item, mais benéfico.

4) Não valorize bens de forma exagerada

O economista americano também chegou à conclusão de que as pessoas tendem a valorizar muito mais um bem quando são donos dele do que se fossem comprar aquele mesmo item.

Isso porque a venda de um bem gera um sentimento de perda, enquanto a compra de um item gera uma sensação de ganho. Mas o conceito de perda é muito mais negativo e intenso do que o de ganho. É o que explica o conceito de aversão a perdas e o que faz com que um proprietário de um imóvel fique anos para vender o bem porque não consegue avançar em negociações.

Neste caso, o jeito é tentar encarar a questão de forma racional: o bem, de fato, vale o que estou pedindo? Ou há um fator emocional envolvido? E, logicamente, pedir conselhos de terceiros, bem como coletar informações de mercado que mostrem por quanto um bem semelhante vem sendo vendido no mercado.

5) Não caia na cilada do curto prazo

Thaler mostra que a tendência de nossa mente é acreditar que as coisas se depreciam quanto maior o intervalo de tempo. O mesmo valor daqui um ano é percebido como menor, tanto faz se é renda ou despesa.

Por isso, conclui o economista, é muito fácil ceder a tentações de curto prazo, que geralmente são a principal razão para sabotarmos objetivos de médio e longo prazo.

Mas é necessário se esforçar para tentar quantificar os benefícios do futuro. Por exemplo, quem opta por investir mais em educação terá um salário mais baixo por mais tempo, mas, posteriormente, a tendência é que receba uma renda maior do que aqueles que não estudaram tanto. Ou seja, é necessário visualizar que os potenciais benefícios no futuro fazem valer a pena o sacrifício no presente. O mesmo vale para um plano de previdência privado.

Fonte: EXAME.COM

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Entenda o salário por produtividade

Postado em:

De acordo com as leis trabalhistas brasileiras, é possível determinar o salário dos colaboradores de várias maneiras e em vários regimes empregatícios. Atualmente, é comum que o valor seja calculado de acordo com o tempo em que o colaborador trabalhou ou ficou à disposição do trabalho (seja por hora, dia, semana, mês etc).

Contudo, existe uma outra forma de realizar este cálculo que vem ganhando notoriedade entre as empresas brasileiras. Trata-se do cálculo com base na produção do colaborador. De acordo com essa maneira, o trabalhador receberia de segundo a quantidade e qualidade dos bens ou serviços fornecidos para o empregador.

Algo mais comum que segue essa linha de remuneração são as comissões por vendas. Conforme o colaborador fecha mais vendas ou bate metas pré-estabelecidas, seu salário aumenta. Esse método de remuneração por produtividade já é muito disseminado no Brasil, seja em pequenas lojas ou em grandes empresas.

Além disso, mesmo que sua empresa decida fazer a remuneração de acordo com a produtividade, a nossa Constituição Federal de 1988 garante que o colaborador receba pelo menos um salário mínimo. Ou seja, caso não ele não alcance as metas pré-estabelecidas de produtividade, ele tem o direito de receber o salário mínimo vigente.

Contudo, a nova Reforma Trabalhista possibilita que a convenção ou acordo coletivo estabelecido entre empregador e colaboradores disponha sobre a remuneração por produtividade e, também, prevê que estes acordos prevaleçam em relação à lei vigente.

Porém, ainda não existe respaldo jurídico para que o salário seja pago exclusivamente por produtividade. Ou seja, ainda não houve nenhum tipo de decisão jurídica dos tribunais trabalhistas que tratasse desse assunto.

Dessa forma, o entendimento geral é de que a determinação presente na Constituição Federal continue valendo, independente do texto presente na Reforma Trabalhista. Isso ocorre porque a Constituição é a lei máxima do país e está acima de todas as outras.

Portanto, caso seja benéfico para sua empresa e para os colaboradores, é possível estabelecer um acordo coletivo onde o salário seria pago apenas conforme a produtividade. Porém, caso as metas pré-estabelecidas não sejam alcançadas, a empresa deverá complementar o salário pago até que ele alcance o valor do salário mínimo vigente no país.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Como Ser Produtivo - Segundo Milionários

Postado em:

Já postei diversos conteúdos para ajudar você a ter uma rotina mais organizada e produtiva. Contudo, ver exemplos de outras pessoas bem-sucedidas pode ser um combustível a mais para que você mude seu comportamento diário.

Confira essa compilação de lições de figuras como JK Rowling, Richard Branson e Mark Zuckerberg feita pelo site Business Insider. Nessa matéria, esse milionários contam o que fazem para administrar seu tempo com eficiência e construir uma carreira de sucesso:

 1. Elon Musk: “Planeje cada minuto da sua semana”

A agenda de Elon Musk, presidente da Tesla, é toda dividida em pequenas janelas de 5 minutos, que são preenchidas meticulosamente todos os dias. É a forma que o empresário encontrou para planejar cada instante da sua movimentada rotina.

O hábito pode ser aproveitado para quem deseja administrar seu tempo com mais precisão, e evitar que certas tarefas consumam tempo demais, por exemplo. Ao estabelecer limites exatos para as suas horas produtivas, você consegue perceber oportunidades para otimizar reuniões, eliminar atividades desnecessárias e encontrar mais tempo para sua vida pessoal.

2. Sundar Pichai: “Defina a melhor rotina matinal para você”

O CEO do Google começa todas as suas manhãs com uma bela omelete, uma xícara de chá e as notícias do dia. “Eu não funciono muito de manhã, então preciso de um tempo com o jornal e o chá para ir despertando”, explica Sundar Pichai ao site Recode.

Não que você precise fazer exatamente o mesmo: essa é apenas a rotina que funciona para Pichai. O importante é ter algum tipo de ritual matinal. Isso porque as primeiras horas do dia são nobres: se você tiver uma manhã agradável, sentirá mais energia e disposição para enfrentar as tarefas que esperam por você.

3. Angela Merkel: “Nunca siga seus primeiros impulsos”

A chanceler alemã Angela Merkel nunca toma decisões apressadas. “Para mim é importante deliberar todas as opções (...), considerar diversos cenários, e não apenas experimentos teóricos dentro da minha cabeça”, disse ela à BBC.

No afã de concluir tarefas rapidamente, muitas pessoas acabam cedendo a impulsos para supostamente ganhar tempo. O efeito colateral é exatamente o oposto. Sem planejamento nem ponderação, a execução das suas tarefas pode envolver diversos erros estratégicos — e você acabará justamente perdendo tempo para consertar os problemas decorrentes da pressa.

4. Richard Branson: “Tenha papel e caneta sempre à mão”

O empresário britânico Richard Branson, fundador do Grupo Virgin, é praticante de um princípio aparentemente simples, porém poderoso: levar um bloco de notas e uma caneta a qualquer lugar que vai. Quando surge uma ideia, ele a anota imediatamente no papel. "Não sei onde estaria se não tivesse uma caneta à mão para escrever minhas ideias assim que elas me ocorriam”, escreve Branson em seu blog oficial.

Usar um bloquinho pode até soar antiquado em tempos de smartphones e tablets, mas a ciência confirma que ideias escritas em papel são mais facilmente elaboradas e memorizadas. Estudiosos das universidades de Princeton e da Califórnia dizem que, ao usar o teclado ou a tela touch de um celular, processamos a escrita de forma mais superficial do que quando desenhamos as palavras com uma caneta.

5. JK Rowling: “Não espere aplausos para colocar a mão na massa”

Ser capaz de se automotivar é um dos grandes diferenciais de quem supera obstáculos na carreira. A escritora britânica JK Rowling, autora da saga Harry Potter, é o maior exemplo disso. Ela conseguiu transformar inúmeras cartas de rejeição do seu projeto editorial e sérias dificuldades financeiras em combustível para não desistir de seus objetivos. Resultado: a série sobre o bruxinho se tornou um fenômeno de vendas e ela se tornou uma das pessoas mais ricas do mundo, segundo a Forbes.

Não à toa, Rowling recentemente retuitou uma mensagem da escritora Melanie Dione que traz um conselho nesse sentido: “Ei, você! Está trabalhando em algo e pensando ‘Ninguém vai assistir, ler, ouvir’. Termine de qualquer maneira”. “Houve tantas vezes nos anos 1990 em que eu precisei que alguém me dissesse isso”, comentou a criadora de Harry Potter.

6. Mark Zuckerberg: “Tente fazer o menor número possível de escolhas”

Tomar decisões pode ser angustiante e cansativo. Para Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, isso é ainda mais verdadeiro — se lembrarmos que cada escolha dele pode ter um enorme impacto sobre uma empresa de 480 bilhões de dólares.

Para simplificar sua vida, Zuckerberg decidiu adotar uma espécie de uniforme de trabalho, composto por calça jeans, tênis e uma camiseta cinza. Pode parecer um detalhe, mas com isso ele elimina uma decisão desnecessária da sua rotina: a escolha do que vai vestir todo dia.

É claro que você não precisa aplicar esse princípio às roupas, necessariamente. O interessante é buscar algum tipo de componente variável da sua rotina que pode ser transformado em uma constante. Ao cortar pequenas decisões, você poderá empregar sua energia para o que realmente importa na sua carreira.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Serasa lança ferramenta inovadora - Conheça

Postado em:

Segundo pesquisas, mais de 17 milhões de brasileiros buscam crédito no mercado todos os meses. As dificuldades que encontram são inúmeras e diversas, contudo desde última segunda-feira, 25, essas pessoas podem acessar uma nova ferramenta que facilita e otimiza todo esse processo.

Para a surpresa de muitos, a instituição por trás dessa iniciativa é a Serasa Experian através de um de seus braços, a SerasaConsumidor. Conhecida como empresa líder no fornecimento de informações financeiras para instituições que concedem empréstimos, agora a Serasa começa a investir mais incisivamente no seu relacionamento com os próprios consumidores.

A plataforma lançada pela empresa foi batizada de Serasa eCred e tem como objetivo inicial oferecer uma ferramenta digital, online e gratuita para ajudar quem precisa de dinheiro a comparar e contratar o melhor crédito para sua necessidade.

Para realizar este projeto, a Serasa firmou parcerias com Banco PAN, Jeitto, Trigg, Emprestto, Banco CBSS e Banco Original. Além disso, espera-se que até o próximo mês, mais quatro parcerias sejam fechadas com Creditas, Lendico, Geru e Portocred. Ao todo, existem cerca de 90 instituições que oferecem crédito no país. Segundo o Diretor do SerasaConsumidor, Pedro Lopes, a empresa tem interesse em fechar parceria com todas.

Outro fator que chama atenção é a facilidade para se criar uma conta no sistema. Basta entrar no site, responder questões básicas como: qual é o propósito do empréstimo desejado e em quanto tempo ele será pago. Após, é preciso criar login e senha, caso a pessoa já tenha conta no site da Serasa, as informações são as mesmas. Em seguida, uma série de opções de crédito serão apresentadas, todas de acordo com as informações fornecidas pelo consumidor.

Atualmente, a plataforma oferece apenas crédito pessoal e cartões de crédito, mas, em breve, será possível realizar o financiamento de veículos, imóveis e, até mesmo, empréstimo consignado. Tudo com agilidade e transparência do início ao fim.

Essa iniciativa busca atingir uma parcela significativa da população brasileira. Segundo Lopes, cerca de 22 milhões de brasileiros que estão negativados poderão usufruir do crédito pessoal oferecido pelo Serasa eCred. Além disso, esses usuários terão acesso a diversas informações durante o processo de contratação do empréstimo, sendo uma delas o CET (custo efetivo total).

Com isso, será possível que aqueles que desejam começar a empreender tenham um suporte de crédito maior e mais seguro. Sem dúvidas, esse fator contribuí e muito para que os novos empreendedores alcancem o sucesso com suas ideias. Veja como superar esse e outros desafios para empreender aqui.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Seu trabalho é um local de risco?

Postado em:

Recentemente, o Santos anunciou que o jogador Nilmar, 33, entraria em licença por tempo indeterminado para se tratar de uma doença cada vez mais comum em todo o mundo: a depressão.

Sem dúvidas, esse tema ainda é um tabu entre nós, brasileiros. Contudo, é preciso que comecemos a falar sobre ele para que possamos ajudar aqueles a nossa volta a superar esse problema.

Segundo dados da OMS, a depressão pode ocorrer em todas as faixas etárias e atinge mais de 11,5 milhões brasileiros. Aliás, segundo a organização internacional, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina.

Quando analisamos o impacto dessa doença nos negócios, percebemos que anualmente as perdas que ela causa chegam a casa dos 240 bi de dólares. Além disso, a previsão dos especialistas é que a depressão se torne a enfermidade mais incapacitante do mundo em menos de três anos.

Se você deseja prevenir a si mesmo e aos seus colaboradores, confira essa lista de fatores que podem fazer do local de trabalho um potencial catalisador para a doença e evite esses riscos.

Carga desequilibrada

Escalas inflexíveis, longas jornadas ou horários não sociais e sistemas de turnos mal desenhados podem ser gatilhos. Ter muito ou pouco para fazer e trabalhar sob pressão, com ritmo sempre acelerado, também contribui para a doença.

Clima ruim

Contatos difíceis com pares ou gestores ou um trabalho solitário influenciam na qualidade de vida. O clima ruim é uma alavanca para o desenvolvimento ou para o aprofundamento da doença.

Cobrança exagerada

A cobrança incessante por metas inalcançáveis e a sensação de estar sendo avaliado o tempo todo colaboram para desestabilizar. Assim como a competição constante entre os pares, com um tentando superar o outro de forma incisiva.

Processos estressantes

Atuar em uma empresa com procedimentos incômodos ou arbitrários, processos morosos e burocráticos, problemas de comunicação e falta de integração entre diferentes setores, tudo isso eleva o nível de estresse.

Sensação de instabilidade

A motivação é afetada quando há falta de segurança no cargo ou uma percepção de falta de equidade em relação ao que é oferecido aos pares.

Indefinições

Falta de clareza quanto às expectativas e às responsabilidades e incompatibilidade entre os valores do empregado e a filosofia da empresa podem desencadear a doença.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Redes Sociais: É Pra Onde Você de Ir

Postado em:

A presença das empresas nas redes sociais já é obrigatória, independentemente do ramo de atuação. Isso ocorre por alguns fatores bem simples como os números crescentes de usuários dessas plataformas, a possibilidade de segmentação do público alvo e de acompanhamento em tempo real dos resultados obtidos com as campanhas.

Além disso, a linguagem dinâmica e popular favorece um contato mais direto entre empresa e consumidores. Por isso, saber aproveitar essa oportunidade pode gerar um impacto positivo enorme na reputação da empresa, o que no final do mês será convertido em maiores vendas e rentabilidade!

Fazer um uso adequado de imagens, fotos, vídeos, gifs e depoimentos reais é um diferencial muito grande para que você possa converter curtidas e compartilhamentos em resultados diretos nas vendas.

Para que isso ocorra é preciso manter um padrão nas suas postagens nas redes sociais, isso é importante para facilitar a identificação da sua empresa pelas pessoas. Para alcançar esses resultados, você deverá pensar na identidade da sua marca e em como ela é assimilada pelos seus consumidores em potencial, clientes fidelizados e simpatizantes.

Sem dúvidas, não basta compartilhar imagens bem produzidas para alcançar o sucesso nas redes. Busque produzir conteúdo que seja do interesse daqueles que acompanham sua empresa e use esse espaço para direcionar seu público para seu site ou blog, algo que irá beneficiar seu posicionamento no Google!

Com esse comportamento, o natural é que seu público aumente constantemente, contudo se isso não estiver acontecendo, será preciso rever alguns pontos.

O engajamento na sua página pode estar sendo limitado pelo simples fato de você estar ou não impulsionando seus posts. Atualmente, a maioria das redes sociais limita o alcance das postagens, por isso será preciso investir uma quantia razoável para ver sua empresa deslanchar na internet.

Na hora de criar suas campanhas pagas pense bem no público alvo, ou seja, aquele que está mais propenso a reagir positivamente ao conteúdo que você produziu. Escolha faixa etária, regiões geográficas e interesses que esse público possa ter. A atenção nesse momento garantirá o bom retorno sobre o investimento realizado.

Caso os resultados continuem baixos, então busque entender a relevância desse material para as pessoas que você deseja alcançar, é provável que os temas, imagens ou linguagem utilizada não tenha despertado interesse dos consumidores. Nessa hora, é uma boa ideia verificar as páginas dos concorrentes e de outras marcas para obter referências e ideias do que funciona no seu mercado de atuação.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Estagnação Econômica Marca 2º Tri

Postado em:


Uma pesquisa divulgada pela Reuters nesta terça-feira, mostrou que a economia brasileira praticamente não cresceu no segundo trimestre. Além disso, o investimento se manteve perto das mínimas em uma década, sinal de que o crescimento deve ser bastante gradual daqui para frente.

Isso ilustra como há espaço tanto para decepção quanto para alívio quando os números oficiais forem divulgados amanhã às 9:00 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Será o segundo trimestre consecutivo de expansão, embora ainda pequena, interrompendo oito declínios seguidos.

Em termos anuais, o PIB provavelmente ficou estável, comparado à contração de 0,4% no primeiro trimestre, de acordo com a pesquisa. As estimativas variaram entre queda de 0,5% e expansão de 0,6%.

O economista-chefe do banco J. Safra, Carlos Kawall, disse ver sinais de retomada “mais consistente” da atividade econômica apesar do número cheio decepcionante. O PIB desmoronou 8 por cento entre o quarto trimestre de 2014 e o fim de 2016, na recessão mais profunda desde o início da série histórica em 1901.

A inflação, que chegou a disparar a dois dígitos, caiu ao menor nível em oito anos, abrindo o caminho para o Banco Central reduzir a Selic em 5 pontos percentuais desde outubro, reduzindo os custos dos empréstimos e alimentando o consumo. Segundo economistas, os cortes de juros parecem finalmente parece estar dando resultados.

Nas últimas semanas, casas incluindo o JPMorgan e o Itaú, melhoraram suas projeções de PIB após vários indicadores econômicos –desde vendas no varejo e atividade econômica até o emprego– surpreenderem positivamente.

Mas as empresas provavelmente ainda hesitam em investir, sofrendo com dívida alta e excesso de capacidade. A formação bruta de capital fixo atingiu o menor nível em uma década no primeiro trimestre e economistas disseram que uma recuperação não virá tão cedo.

O presidente Michel Temer tem levado a cabo um amplo programa de privatizações, além de reformas regulatórias. Os poucos esforços para cortar os gastos do governo, no entanto, provavelmente dificultarão o crescimento no curto prazo.

Dúvidas sobre a capacidade de Temer de angariar apoio a novas reformas estruturais vêm crescendo, diante de baixíssimas taxas de popularidade em meio a escândalos de corrupção. Neste mês, o governo afrouxou suas metas fiscais para todos os anos até 2020 após parlamentares se recusarem a apoiar a criação de novos impostos.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Supere Os Desafios e Empreenda!

Postado em:

Sem dúvidas, a falta de experiência ou de conhecimento são grandes desafios na hora de começar a empreender. Não saber como gerir as diversas áreas de uma empresa ou mesmo desconhecer os detalhes do sistema tributário é comum entre que está começando.

A solução básica para superar esses desafios é: ler muito para aprender sobre o assunto e procurar mentores – pessoas que já passaram por situações similares e que podem transmitir seus conhecimentos e experiências, além de acompanhar os passos do seu negócio.

Outra solução é apostar na experiência dos seus próprios funcionários – desde que haja o plano de que esse conhecimento seja repassado para mais pessoas da equipe, evitando a dependência.

Outro desafio comum a quem quer abrir sua própria empresa é enfrentar o medo de abandonar a vida de funcionário. E a melhor solução para superar o receio é se cercar de uma rede de apoio e troca de conhecimento. Algo que pode ser feito através de cursos de coaching e outros treinamentos de liderança.

Além disso, essa rede de conversações será de grande ajuda para superar o desafio de saber quando parar de refinar um produto e lançá-lo no mercado. Ter esse timing é essencial para o sucesso do seu projeto.

O planejamento em excesso pode matar sua empresa. Por isso, é importante criar um plano de negócio, estruturar os detalhes da operação, pensar em organogramas detalhados e especificar os processos complexos. Mas sem deixar de lado a execução da ideia. Conseguir esse balanço entre planejamento e ação é complicado, mas é a chave para que sua ideia dê certo.

Esse ponto está intimamente ligado ao Marketing. Afinal de contas, ao colocar seu projeto no mercado você precisará fazer com que ele se torne conhecido. Nesse momento, é preciso buscar alternativas para evitar gastos exorbitantes e ineficazes.

Uma delas, pode ser buscar os influenciadores do setor: escritores, blogueiros e criadores de conteúdo para redes sociais (Facebook, Youtube, Instagram).

Um exemplo de sucesso é a própria Direito de Ouvir, rede de clínicas de reabilitação auditiva. Como CEO, percebi que era preciso investir no marketing digital e em um sistema de relação com consumidores (CRM). Isso foi fundamental para tornar a marca e os produtos conhecidos. No último ano, a empresa cresceu 85% graças ao trabalho estratégico de conhecer, captar e reter clientes.

O trabalho de qualquer empreendedor é duro. E é preciso entender que não pode ser feito sozinho. Mas, sem dúvidas, quando a colheita começa, os resultados não deixam a desejar.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Franquias Crescem 6,8%

Postado em:

Hoje trago uma ótima notícia para nós, empreendedores! Segundo pesquisa divulgada no dia 16 de Agosto pela ABF (Associação Brasileira de Franchising), o faturamento do mercado de franquias registrou um faturamento superior ao que foi visto no mesmo período do ano passado.

De acordo com a Pesquisa Trimestral de Desempenho de Franchising, o mercado nacional de franquias registrou crescimento de 6.8% no faturamento no segundo trimestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado.

Isso significa que a receita subiu de R$ 35,180 bilhões para R$ 37,565 bilhões. Esse crescimento não é isolado. Também de acordo com a ABF, no semestre anterior, o setor manteve um ritmo de crescimento nominal de 8%, passando de R$ 68,890 bilhões para R$ 74,428 bilhões.

A pesquisa ainda mostrou que a expansão do mercado teve menores índices quando comparados ao mesmo trimestre do ano anterior (8,1%), contudo o resultado obtido este ano pode ser considerado melhor devido aos índices da inflação.

Outro ponto positivo é o fato das redes franqueadoras terem conseguido aumentar consideravelmente o volume de vendas, algo que foi impulsionado pela melhora no Índice de Confiança do Consumidor, entre outros fatores.

Segmento em Destaque

Segundo os dados mostrados pela Pesquisa Trimestral de Desempenho de Franchising, pode-se destacar o segmento de Saúde, beleza e bem-estar, que teve variação de faturamento de 9,4%. Esse crescimento mostra a força de empresas como a Direito de Ouvir Amplifon em um cenário onde a saúde tem se tornado prioridade na vida das pessoas.

Tais fatores demonstram a importância da inauguração da primeira Clínica Conceito Direito de Ouvir que ocorreu no último dia 9 de Agosto no Centro Médico do RibeirãoShopping. Clínica que surge para atender uma demanda crescente das pessoas por melhor qualidade de vida e fornecer comodidade e bem-estar aos pacientes, além de uma localização estratégica em um Centro Médico, possibilitando ao paciente realizar outros exames em um só lugar com praticidade e agilidade.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.

Cada Um No Seu Quadrado!

Postado em:

Ao longo dos meus textos, sempre afirmo que o bom relacionamento do líder com sua equipe, a transparência e a busca por mais horizontalidade nos processos são fundamentais para que o trabalho flua melhor e de maneira mais humana. Contudo, é preciso compreender que isso precisa estar equilibrado com a característica de autoridade que um líder possuí. Isso significa que se você é líder, não deve e não pode confundir essa posição com aquela de um amigo, por exemplo.

Situações surgirão e exigirão que você tome posições mais firmes e muitas vezes contrárias aquelas que algum membro da sua equipe deseja. Caso tal relação tenha sido construída na base da barganha de sentimentos, essa discordância fará com que um problema maior surja e afete negativamente a todos.

Esse comportamento é natural daqueles líderes que não desejam liderar, mas sim serem amados. Com isso, se confunde bom relacionamento com troca de elogios, tapinha nas costas e total concordância. O problema é que isso é impossível de manter por um longo tempo.

Por isso, preze pela sinceridade respeitosa e pelo bom senso. São essas características que possibilitarão que críticas surjam nos momentos certos, e que você possa dizer não sem causar indisposição entre a equipe.

Conciliar tudo isso é de grande importância, já que é tarefa do líder guiar o time e ditar o ritmo de trabalho. Se você passa mais tempo batendo papo com sua equipe sobre assuntos que não se relacionam em nada com o trabalho, você contribuirá para que todos entendam que é normal perder o foco. Mas, se o líder tem uma postura focada e dedicada, o sinal que as pessoas captarão será outro.

Preste atenção a sua postura e compreenda que ela será mimicada por quem está ao seu lado no cotidiano do trabalho. Além disso, um líder equilibrado tem muito mais moral e facilidade para chamar a atenção, dar aquele puxão de orelha ou mesmo recompensar quando merecido.

Em resumo, não tenha como objetivo ser amigo da sua equipe fora do trabalho. Mas se esforce para ter um relacionamento harmonioso, onde cada um exerce o seu próprio papel e tem seu espaço. Dessa forma, quando chegar a hora de analisar os resultados obtidos, todos terão muito claro qual era sua própria responsabilidade, e as indisposições por conta das cobranças serão muito menores.

Quer saber mais sobre empreendedorismo e sucesso?

Acesse >> www.fredabrahao.com.br

*Esta coluna é semanal e atualizada às sextas-feiras.