Chá branco ajuda a reforçar a imunidade e é um potente antigripal, aproveite!

Você sonha com um chá que tenha os poderes do verde, mas sem o sabor amargo? Pode comemorar, ele existe

Postado em: em Gastronomia

Foi-se o tempo que chá era coisa de avó. Nos últimos anos (e com ainda mais força recentemente, com o coronavírus), ele virou bebida de toda pessoa preocupada com a saúde. 

O verde, por exemplo, é muito conhecido por conter antioxidantes, vitaminas e minerais, além de ajudar na manutenção do peso. Mas há um primo-irmão do chá-verde que contém todas essas propriedades (e até mais): o chá branco. 

Ele atua no nosso organismo da mesma maneira que seu parente. A vantagem é que faz tudo isso de maneira mais intensa, e o sabor não é amargo. Ao contrário, o chá branco é bem suave. 

A bebida combina muito com a época mais fria do ano, que está se aproximando, e pode até ser um potente antigripal.

Diferenças entre o chá banco e o verde

Os dois são extraídos da Camellia sinensis. O que faz o branco ser mais potente é o momento da colheita. Suas folhas são retiradas muito jovens, antes de entrarem no processo de oxidação. 

Nessa fase, quando ainda estão cobertas por uma penugem esbranquiçada (daí o nome chá branco), concentram catequinas e polifenóis numa dose 40% maior. Essas substâncias são altamente antioxidantes e termogênicas (capazes de acelerar o ritmo do metabolismo).

Chá branco e perda de peso

“Se o chá branco concentra mais substâncias termogênicas, conclui-se que tem um efeito emagrecedor maior”, afirma a nutricionista Suzana Machado. 

Lucyanna Kalluf, farmacêutica especialista em fitoterapia e nutricionista funcional, compara: “O chá-verde aumenta em 4% o ritmo do metabolismo, segundo pesquisa publicada na conceituada revista American Journal of Clinical Nutrition, dos Estados Unidos. O branco pode acelerar em até 8%, de acordo com resultados clínicos”. 

A nutricionista acrescentou o chá branco (1 litro por dia) no cardápio de dez pacientes e o verde no de outras dez mulheres. No final de um mês, o primeiro grupo, a do chá branco, emagreceu 6 quilos (2 quilos a mais que o segundo, que perdeu 4 quilos).

Além disso, ele inibe as enzimas responsáveis pela compulsão alimentar e varre as impurezas do organismo. Tem mais: “O chá branco reduz a absorção das gorduras vindas dos alimentos”, afirma a nutricionista.

Chá branco e imunidade

Assim como o verde, ele é capaz de fortalecer o sistema imunológico e tirar de cena os radicais livres (o que é bom para a pele). 

Isso acontece, de novo, graças às catequinas e aos polifenóis (antioxidantes até mais poderosos que as vitaminas C e E). 

Pesquisas feitas nas universidades americanas de Pace, Cleveland e Case Western Reserve revelam mais sobre o chá branco:

  • Diminui o colesterol ruim e fortalece as artérias e veias, prevenindo problemas cardiovasculares;
  • Protege a pele dos efeitos nocivos do sol, pois melhora o sistema de defesa das células contra os raios ultravioleta B (responsáveis pela vermelhidão). Com isso, diminui o risco de câncer de pele;
  • Age como um antigripal e anti-inflamatório;
  • Previne a formação de placas e cáries nos dentes.

Qual a melhor versão?

Erva, sachê, cápsula, chá pronto ou instantâneo? Os especialistas são unânimes ao afirmar que a erva a granel (própria para infusão) é a melhor escolha. 

As cápsulas com o extrato da planta também são poderosas, mas devem ser prescritas por um especialista. 

E as versões industrializadas? Dependendo da marca, o produto traz o extrato concentrado da erva. Mas nem sempre é assim. 

“Algumas empresas colocam uma quantidade mínima de chá branco na composição do produto. Ou, ainda, usam apenas o aroma. E isso não traz nenhum efeito terapêutico”, diz Andrea Frias.

Vale o quanto custa?

Ok, nem tudo é perfeito no chá branco: ele pesa no bolso. Um pacotinho custa cerca de 20 reais, o dobro ou mais que o do verde. O preço da versão orgânica chega a 110 reais. 

O preço se deve ao fato de a colheita da erva ser manual, feita uma vez no ano e só por três dias e, normalmente, ser importada da Índia, China ou do Japão. Além disso, são necessários 80 mil brotos da Camellia sinensis para se produzir 1 quilo do chá.

Como preparar

O preparo é igual ao do verde. Siga as mesmas regras para preservar os benefícios da erva.

  • Coloque a água para ferver e, antes de surgirem as primeiras bolhas, apague o fogo. Acrescente a erva (2 colheres de sopa rasas para 1 litro de água ou 2 colheres de chá rasas para 1 xícara de água). Abafe por cinco minutos e coe;
  • Beba quente ou frio até 24 horas após o preparo. Depois disso, os princípios ativos do chá perdem a eficácia. Vale, sim, preparar a quantidade necessária para o seu dia. Nesse caso, coloque o chá numa garrafa térmica ou numa jarra de vidro e leve à geladeira;
  • O ideal é não adoçar. Mas, se preferir, use 1 colher de chá de mel para 1 xícara. Evite açúcar e adoçantes para não prejudicar o processo de desintoxicação;
  • A canela em pau dá um sabor especial ao chá. Coloque-a na água que será levada ao fogo.

Artigos Relacionados