Às vésperas de cirurgia, Sílvia Bomfim precisa de sangue para transfusão

Família da aposentada solicita doação de sangue O+ fator R1R1; no Hemocentro só tem 2 bolsas do tipo

Postado em: em Filantropia

Sílvia Helena Bomfim precisa de doação de sangue (Foto: Reprodução)

A batalha pela vida da aposentada Sílvia Helena Bomfim continua. Ela estava com a cirurgia que necessita para continuar viva agendada para esta quarta-feira, 25, em Ribeirão Preto, mas os médicos precisaram adiá-la em razão do seu estado de saúde. "Não conseguimos ir hoje, pois no último exame realizado ontem à noite, verificou-se uma anemia severa. A hemoglobina dela que devia estar em 11 está em 5, então ela precisa de transfusão de pelo menos 3 bolsas de sangue O+ fator R1R1, um sangue filtrado e não são todas as pessoas que têm esse fator. Por esse motivo o médico achou prudente não realizar agora a cirurgia", explica a filha da aposentada, Heloisa Gabriela Bomfim.

Segundo ela, no Hemocentro só tem 2 bolsas com o tipo sanguíneo que Sílvia precisa. "Eles estão correndo para fazer a transfusão hoje ainda e, provavelmente a cirurgia será entre sexta e sábado, o mais rápido possível", espera. 

Enquanto isso, a família de Sílvia Helena Bomfim continua tentando arrecadar dinheiro para a 1ª cirurgia, que é R$ 8 mil. "Ainda temos 150 números para serem vendidos, precisamos muito da ajuda de todos", pede Heloísa.

Para ajudar, basta doar alguma quantia - depósito deve ser feito na conta de Luís Gabriel Simões Ferreira: Banco Bradesco - Agência: 0263-1 - Conta Poupança: 1008332-0 - ou adquirir números da rifa. Os prêmios são:

* 3 kits de café da tarde

*2 cachecóis

*uma depilação completa

*um artesanato

*uma limpeza de pele

* uma cesta básica

ENTENDA O CASO

Diabética e doente renal crônica, além de hipertensa com graves problemas de circulação e hipotireoidismo, Sílvia Helena Bomfim vive hoje apenas com 4% do funcionamento de seus rins, tendo que se submeter à hemodiálise. “No entanto, as duas fístulas que ela fez para a hemodiálise pararam de funcionar e o cateter que os médicos colocaram nela também parou. O sangue dela está coagulando muito e nem tomando remédio para ralear o sangue está adiantando”, comenta sua filha Heloisa Gabriela Bomfim.

O grande problema segundo Heloisa, é que em Franca, os médicos teriam acabado com os acessos dela para hemodiálise e acham arriscado submetê-la a uma cirurgia por ser muito delicado o seu caso. “Na última tentativa disseram que ela teve uma parada cardíaca, então ninguém quer colocá-la no centro cirúrgico, até porque Franca já não tem mais recursos para o caso dela. Ela está há uma semana sem dialisar direito e corre risco com isso. Por isso os médicos da Clínica Nefrológica encaminharam para Ribeirão Preto. Conseguimos um médico que faz a cirurgia essa semana ainda, porém, vai ser tudo no particular. Ela precisa de 2 cirurgias e vai ficar em torno de R$ 8 mil cada”, explica Heloisa, cuja família está correndo contra o tempo para conseguir esse dinheiro.

Para tentar levantar o valor da cirurgia, a família está realizando rifas e recebendo doações. “Ela tem várias complicações de saúde, mas é uma mãe exemplar, amorosa, carinhosa e uma avó super coruja. Estamos tentando de tudo para salvá-la”, enfatiza Heloisa.

Quem quiser mais informações sobre o caso ou ajudar de alguma forma, pode entrar em contato com Heloisa pelo telefone (16) 99236-9600.​


Artigos Relacionados