A DOR E A MÚSICA

Postado em:

​Temos visto várias experiências em hospitais relatando o quanto a música diminui a dor de pacientes em vários tipos de doenças, sentindo dores e sendo aliviadas com apenas o som que ouvem.

Venho hoje falar da dor emocional.

Concentro-me em Bach. Johann Sebastian Bach , nascido em 1685, nos deixou um legado sobre a estrutura musical, a forma de se escrever música, mas também os sons que ele dedicava a Deus, pois nem assinava suas composições como sendo dele. Apenas escrevia logo abaixo das partituras compostas : “Somente a Deus a glória”.

E são a estes sons que me entrego nos momentos de profunda conversa com Deus.

Bach teve 20 filhos, duas esposas e uma tranquilidade invejável. Entregou-se à tarefa de nos facilitar a vida dedicando-se à forma da escrita musical.

Certa vez, conversando com uma pessoa que fazia tratamento psicológico, ela me relatou o seguinte: -“ minha terapeuta me indicou ouvir Bach que é compatível com minhas inquietações que nunca terminam, pois ele vai criando os sons em círculos que sempre voltam ao mesmo lugar e eu preciso ouvi-lo e sentir que a vida é cíclica. Ele demora para “resolver” no acorde final e vai circulando, circulando até que consegue enfim dar um suspiro e terminar.”

Isso ficou sempre em minha mente, naquele momento até discordei disso, pois pensei que fosse melhor sair do círculo e resolver logo a situação. Mas tem certos problemas na vida que insistem em ficar circulando indo e voltando até que possamos suspirar e entender que terminaram.

Mas sabendo de sua biografia, de sua religiosidade na Igreja Protestante, e que ele fazia músicas para Deus e assinava como vindas de Deus para ele e entregue a nós como sendo sons da mais alta vibração do divino, penso que 334 anos depois do seu nascimento e 269 anos depois de sua morte, temos este legado para acalmar nossas almas e saber que somos guiados pelo divino, se nós deixarmos, como assim ele o fez!

Momentos de dor são curados por músicas que emanam fé.

Talvez inicialmente tenhamos que nos conectar às músicas que são compatíveis com nossos sentimentos e aflições masestas músicas que só emanam aflições, servem para potencializar as mesmas.

A música tem o poder de nos transportar para um lugar diferente de onde estamos, e basta procurarmos as músicas que nos levem para esferas superiores, lugares reconfortantes, bálsamos para a alma. Talvez por isso, ela nos tire a dor.

Em Deus não há dor. Há acolhimento! Há vigor. Há esperança! Há vida!

Brahms muitas vezes me transporta para a profundidade da vida. Brahms foi profundo, sério, buscou na natureza muitas vezes as suas inspirações. E a natureza também é nosso bálsamo!

Brahms era nostálgico também e ao mesmo tempo vibrante em suas saudades de infância. Transportou para a música a alegria de sua infância no cortiço em que nasceu e morou na periferia de Hamburgo através da Dança Húngara n.5.

Inspirou-se na alegria dos ciganos para compor suas Danças Húngaras. Quando visitou Schumann, professor de composição, o mesmo se encantou com as novidades que Brahms trazia.

BBB .. . que não tem nada de semelhante com os programas de TV ... Os 3 grandes Bs da música : BACH, BEETHOVEN E BRAHMS ....

Beethoven se superou, tanto pela infância conturbada, como pelos desencontros amorosos e depois pela surdez. Ele se superou e nos deixou obras de grande superação, talento e elevação de alma.

Deixa-nos um espetáculo na 9ª Sinfonia, quando compôs completamente surdo . Quando lhe perguntaram escrevendo em seu caderninho : - como compõe sendo totalmente surdo? Ao que ele responde : - “EU OUÇO SONS CELESTIAIS!”

Que estes bálsamos curem nossas almas tão sofridas por nossos pequenos desafios que se tornam gigantescos conforme lhes damos poder e valor.

Obrigada aos 3 Bs da música !

Saúdo-os no mais profundo ato de gratidão!​

*Esta coluna é semanal e atualizada aos domingos.